Números do Brasileirão 2016

17:49 2 Comments A+ a-


O primeiro post nessa volta do blog falará um pouco sobre o Brasileirão deste ano. Traremos aqui alguns números que mostram como foi tal competição, com destaque para o título do Palmeiras, algo que não acontecia desde 1994 e o primeiro rebaixamento de um dos "incaíveis", o Internacional.

O melhor ataque é a defesa, e a melhor defesa é o ataque!
O Palmeiras terminou a competição com o melhor ataque (62 gols) e a melhor defesa, junto com o Atlético-PR (32 gols sofridos) e consequentemente o melhor saldo da competição, realmente um desempenho incrível. O Atlético-MG tem o segundo melhor ataque, com apenas um gols a menos, mas possui também uma das piores defesas. Nesse quesito, além do Verdão, destacam-se também o Flamengo e Santos (35 gols contras cada). Já o Furacão, com um dos melhores setores defensivos, marcou pouquíssimos gols, apenas 38.


Aproveitamento excelente
Além do melhor ataque e melhor defesa, o Palmeiras foi a equipe com o maior número de vitórias e menor casos de derrotas. Já na via oposta, o lanterna América-MG foi o time com menos triunfos (sete) e mais derrotas (24).

Causas do rebaixamento?
Após chegar a liderar o campeonato, o Internacional ficou 14 partidas sem vencer (ficando a uma partida de igualar o recorde de São Caetano em 2006 e América-RN em 2007). Detalhe: Nenhuma equipe que ficou 13 partidas ou mais sem vencer conseguiu escapar da zona da degola e o Colorado não foi exceção. Além desta marca, o Colorado teve 17 derrotas e apenas 11 vitórias, além do saldo de gols ser -6, tendo a terceira pior marca de gols assinalados, apenas 35.



Cariocas melhoram
O futebol carioca teve uma queda após os títulos de Fluminense em 2012 e Flamengo em 2013. Sucessivos rebaixamentos e ausência de candidatos ao título marcaram o futebol do Rio nas últimas competições. Contudo, nesta temporada, mesmo com apenas 3 representantes, o futebol Carioca voltou a brilhar em comparação a antes. O Flamengo chegou a brigar pelo título, enquanto o Botafogo classificou-se para a Liberta e o Flu, que também brigou pelo G6, apesar de não ter conseguido a vaga, ficou distante do Z4.

Força de Minas diminui
Depois de várias temporadas brigando por títulos nacionais e internacionais, os clubes de Minas não fizeram um grande campeonato. Mesmo com o Atlético-MG conseguindo a vaga para a Libertadores, o Cruzeiro chegou a namorar o Z4 algumas rodadas enquanto América-MG, campeão mineiro, terminou o campeonato na lanterna.



Paulistas mantém a soberania
Enquanto os outros estados vivem altos e baixos, os paulistas mantém uma certa regularidade boa. Mesmo com o São Paulo ter tido alguns casos com a Zona de Rebaixamento, os demais integrantes fizeram bela competição. O Palmeiras levou o título com uma campanha memorável, enquanto Santos garantiu a vaga para a Liberta e o Corinthians brigou para conquistar, mas não conseguiu. Ainda temos a Ponte Preta, que apesar de não brigar no alto escalão, vem fazendo boas temporadas com poucos riscos de cair, situação similar à da Chapecoense.

O maior momento do Futebol!
Agora é a vez dos gols. Ao todo foram 304 gols marcados, 200 dos mandantes e 104 dos visitantes, uma média de 2,4 gols por partida. De falta foram poucos, apenas 17, a menor marca desde 2010. Já nas penalidades máximas, nesta temporada tivemos o maior número desde 2012, com 79 tentos convertidos em 103 cobranças. A equipe que menos contribui para estas estatísticas foi o Figueirense, que acumulou 222 defesas/bloqueios.

A artilharia ficou divida entre Diego Souza (Vitória), William Pottker (Ponte Preta) e Fred (Atlético-MG) com 14 gols cada.


Direto das arquibancadas:
Voltando para os números, estes aqui são muito importante, pois não só afetam o rendimento em campo como também a questão financeira dos clubes. Prova disso é o Palmeiras, que além de ter a melhor média de público (32 470), apresentou também a maior renda bruta arrecadada (R$ 42 311 615). Podemos destacar também Corinthians, Flamengo e até mesmo o Internacional. Já na lanterna novamente, o América -MG foi o clube com a menor média de torcedores apenas 3494, enquanto a pior renda foi para a Ponte Preta, que faturou apenas R$ 1 729 690.

Abuso da força: O jogador que mais levou cartões foi Bruno Silva (com 13 amarelos). Já nos cartões vermelho, o atleta mais "presenteado" foi Lucas Romero, do Cruzeiro. Já em conjuntos, as equipes com maiores números de cartões foram Vitória (113), Internacional e Cruzeiro (101 cada).

Sacos de pancadas: Um dos grandes nomes deste Campeonato, Marinho foi o jogador que mais "provocou" cartões amarelos para os adversários, sendo 32 amarelos ao todo. Logo após temos outro grande nome da competição, Gabriel Jesus sendo 19 amarelos e 1 vermelho.


Santa Cruz e erros bobos: Como senão bastasse a pior defesa com 69 gols tomados, o Santinha ainda foi o pior clube no quesito cartões bobos (mãos, reclamações, simulações entre outros).

Fator mandante importante: Mais da metade (53%) dos resultados foram vitórias dos mandantes, seguido pelos empates (25%) e na menor das vezes, triunfos dos visitantes (22%).

Estes são alguns dos números que retratam como foi o Campeonato Brasileirão deste ano. Tais rendimentos influenciaram no resultado final da competição, desde a ponta até aos rebaixados. Agora vamos aguardar as contratações neste período de férias e também a pré-temporada ano que vem, antes da bola rolar para valer!

2 comentários

Write comentários
Kleber Nunes
AUTHOR
terça-feira, 27 de dezembro de 2016 20:48:00 BRST delete

Esqueceu de citar o Fred do Atlético Mineiro que também foi artilheiro, então tivemos um tríplice empate na artilharia do campeonato.

Reply
avatar
quarta-feira, 28 de dezembro de 2016 13:07:00 BRST delete

Kléber Nunes,

Bem lembrado, erro já corrigido!

Abraços.

Reply
avatar