Brasileiros x Europeus. Apenas uma estratégia bem-sucedida?


Na semana passada tivemos mais uma final do Mundial de Clubes. E assim como boa parte, desde os Intercontinentais até aos eventos organizados pela FIFA, brasileiros e europeus se enfrentaram novamente. Na ocasião, o Real Madrid venceu o Grêmio por 1x0 num jogo diferenciado em relação as últimas finais deste tipo, e nesse artigo vamos comentar um pouco sobre a derrota do Grêmio comparando com as outras decisões além de responder o questionamento do título. É válido lembrar que vamos tomar situações deste século, desconsiderando partidas disputadas antes da era FIFA.

Na partida foi visto aquilo que ocorreu nas outras finais. O time europeu pressionando e o time brasileiro recuado. O Grêmio começou numa marcação alta no início, entretanto logo após o Real Madrid tomou conta da partida com maior posse de bola e presença efetiva em campo gremista e assim como as outras partidas tão pressão não rendeu resultado. Aqui vamos desconsiderar o jogo entre Barcelona 4x0 Santos em 2011, onde tudo que for escrito neste post não se aplica, apesar de ser o exemplo na prática da distância entre o futebol do Velho Continente e nosso.


Para segurar tão pressão é necessário ter um grande goleiro. Torcedores são-paulinos não se esquecem do milagre de Rogério Ceni na falta de Gerrard, assim como os colorados lembram da defesaça de Clemer no chute de Deco logo após o gol do Internacional, sem contar a partida monumental de Cássio no título do Corinthians contra o Chelsea. Marcelo Grohe poderia entrar nessa galeria, desde a Libertadores vinha fazendo verdadeiros milagres e defesas impossíveis, assim como na final onde apareceu gigante três vezes ao menos. Sem falar que o gol não teve nenhuma culpa sobre o arqueiro gremista.


Entretanto algo diferenciou em relação aos demais confrontos. No segundo tempo a defesa tricolor cedeu e numa fresta na barreira, Cristiano Ronaldo marcou de falta. Outro fator que destoa é a ausência de um herói ofensivo. A dupla de zaga, principalmente Geromel fez excelente partida, contudo o setor de ataque não incomodou, a não ser na falta distante de Edilson. Em 2006 surgiu a figura de Adriano Gabirú que entrou e fez o gol da vitória colorada, em 2012 Paolo Guerrero com oportunismo marcou. Neste ano não tivemos nenhuma surpresa e jogadores protagonistas como Luan foram apagados pelo time Merengue.

Atualmente é impossível jogar de igual para igual perante um time europeu de primeiro escalão (até de escalões seguintes dependendo da equpe). A saída é saber sofrer como todas as equipes e contar com um heroi. O Grêmio apesar da boa equipe acabou sabendo sofrer, mas com um erro bobo e sem nenhuma força ofensiva criou um terceiro tipo de final. Entretanto essa receita é a que deu certo nos últimos anos, não funcionando contra times fora de séries como o Barcelona de 2011. Jogar na retranca é a única solução atual, realidade muito diferente da época onde os times brasileiros eram quem botava os europeus na roda.

Share this:

ABOUT THE AUTHOR

Ceyron Louis

Hello We are OddThemes, Our name came from the fact that we are UNIQUE. We specialize in designing premium looking fully customizable highly responsive blogger templates. We at OddThemes do carry a philosophy that: Nothing Is Impossible

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário